Um dos problemas nos canteiros de obra é a falta de canal de diálogo entre trabalhadores e a empreiteira responsável

Um dos principais problemas encontrados nas obras de construção civil, especialmente nas grandes, como Belo Monte, é a ausência de representantes eleitos tanto do lado dos trabalhadores quanto do lado das empresas.

A presença de dirigentes sindicais nos locais de trabalho não é permitida durante o expediente inteiro. E nos canteiros também não há representantes das empreiteiras designados para dialogar com os trabalhadores.

São diversas empresas terceirizadas – para alimentação, transporte e mesmo para as atividades-fim das obras – e ninguém que chame para si a responsabilidade de canalizar e encaminhar as reivindicações e reclamações dos operários.

E são muitos os problemas, como nossos sindicatos podem constatar em visitas às obras.

Esses problemas vão se acumulando, à maneira de uma panela de pressão, e os conflitos eclodem.

A CUT tem insistido com as empreiteiras e com o governo federal, durante nossas reuniões para elaborar o acordo nacional para a construção civil, de que é preciso estabelecer representação sindical, tanto patronal quanto dos trabalhadores, nos canteiros de obra.

Esse será certamente um instrumento eficaz para garantir os direitos e a dignidade dos trabalhadores e, por consequência, vai minimizar os conflitos.

Os empresários precisam perder o medo das representações sindicais nos locais de trabalho. Onde existem, como nas indústrias metalúrgicas do ABC, entre outras, os resultados são positivos para todo mundo.

Temos defendido também de que é necessário, desde a elaboração dos editais das grandes obras, deixar evidenciados critérios rigorosos quanto às condições de trabalho, segurança, salário, moradia e outras questões essenciais aos trabalhadores. E as empresas que não os respeitarem devem perder o acesso a financiamento público e às licitações.

Anúncios

2 Comentários

Arquivado em Uncategorized

2 Respostas para “Um dos problemas nos canteiros de obra é a falta de canal de diálogo entre trabalhadores e a empreiteira responsável

  1. um governo do PT deveria saber agir exemplarmente nesses casos. Sou petista, sou a favor da construção de Belo Monte, como de outras grandes obras de infraestrutura, e acho que o governo tá perdendo a chance de fazer uma mudança espetacular em um setor que, sabemos, é dos mais cruéis para com os trabalhadores.

  2. José Osivan Barbosa de Lima

    Claro que é importante os trabalhadores lutarem por seus direitos, mas sempre vai haver insatisfação porque isso faz parte do ser humano. Seria tão bom que nós tivessémos cinco faixas salariais. Por exemplo: R$ 1.000,00 para o salário mínimo, R$ 2.000,00 para outra faixa salarial e a maior faixa salarial R$ 5.000,00. Ai todos lutariam pela recuperação do salário mínimo porque seus salários estariam baseados no salário mínimo. Hoje é diferente cada um pensa em si. Mesmo que ele ganhe 60 salários mínimos ele só pensa em si. Dessa forma estamos construindo o capitalismo salarial quando uns ganham demais e outros ganham pouco demais. Precisamos lutar por uma melhor distribuição salarial se realmente queremos o socialismo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s