Estudo lança alerta: alta rotatividade no mercado de trabalho pode derrubar “nova classe média”

Secretaria de Estudos Estratégicos também desmente a tese de que a rotatividade é grande porque os trabalhadores pedem demissão

Estudo divulgado ontem pela Secretaria de Estudos Estratégicos da Presidência da República – e ignorado pela mídia, com exceção da Agência Brasil  – conclui que a alta rotatividade no mercado de trabalho atinge mais os trabalhadores que ganham até dois salários mínimos e que isso impede a ascensão social dessas pessoas, pois dificulta a capacitação e o aumento do salário.

Quem perde o emprego em curto espaço de tempo não consegue pagar um curso ou receber qualificação oferecida pelo empregador e, em muitos casos, a pessoa que o substituir vai ganhar salário menor, o que forma um círculo vicioso.

“Isso conspira contra a ascensão desses trabalhadores”, disse o ministro-chefe da Secretaria, Moreira Franco. “É quem está no limite de retornar à pobreza”, adverte Alessandra Ninis, assessora técnica da pasta.

Segundo o estudo, entre a parcela que ganha até dois mínimos (teto de R$ 1.090), a rotatividade atinge 57%. Ou seja, a cada 100 pessoas que conseguem emprego de até dois salários mínimos no período de um ano, outras 57 são demitidas.  Já no quadro geral das faixas salariais, o índice é de 40%.

Outro dado fundamental apresentado pelo estudo desmente a versão de que a rotatividade é alta porque, em tempos de mercado de trabalho aquecido, a maioria das pessoas pediria demissão para ganhar mais em um novo emprego.

Como pode ser conferido no gráfico abaixo, as percentagens de pessoas na faixa de até dois salários mínimos que são demitidas sem justa causa (81%) e aquelas que pedem demissão (84%) são muito próximas.

Os números também apontam que, ao longo de um ano, o mesmo trabalhador pode viver as duas situações.

Isso confirma que é determinante para a alta rotatividade do mercado a postura dos patrões que demitem para reduzir custos. Por isso a CUT defende a ratificação da Convenção 158 da OIT.

Clique sobre o gráfico para ampliá-lo:

Anúncios

2 Comentários

Arquivado em Uncategorized

2 Respostas para “Estudo lança alerta: alta rotatividade no mercado de trabalho pode derrubar “nova classe média”

  1. José Osivan Barbosa de Lima

    Realmente essa rotatividade de emprego não é bom para a classe trabalhadora.

  2. José Osivan Barbosa de Lima

    Realmente essa rotatividade no mercado de trabalho é ruim para a classe trabalhadora.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s